Vitrine ou frente aberta: o que é melhor para a loja?

 

Loja Antix 1As vitrines foram um dos símbolos mais representativos do comércio moderno e cosmopolita que chegava a São Paulo na virada do século 19 para o 20.

Cerca de um século depois, há lojas dispensando as grandes janelas de vidro para adotar o modelo de “open front” (frente aberta, em inglês).

De acordo com Fabio Pressendo, arquiteto coordenador Kt Retailing, a tendência surgiu nos Estados Unidos e na Europa e chegou ao Brasil há cinco anos.  

As vitrines, como conhecemos hoje, descendem das janelas e aberturas das casas dos mercadores da Idade Média que mostravam o interior dos lares e ao mesmo tempo expunham os produtos fabricados.

Outra influência, de acordo com a especialista Sylvia Demestresco, foram os gabinetes de curiosidades das casas renascentistas burguesas, que exibiam objetos exóticos e os achados das grandes explorações marítimas.

Na virada dos séculos 19 e 20, as vitrines ganham as ruas do comércio e se transformam em grande atração nos passeios públicos.

As grandes janelas de vidro serviam para trazer o interior da loja para as calçadas, aumentar a visibilidade dos produtos e anunciar promoções.

Nesse período a Selfridges, loja de departamento de Londres, se destacava por seus cenários temáticos, que além de mostrar os produtos, expunham o “espírito Selfridges”.

Dessa forma, não apenas alimentava o consumo e o imaginário dos consumidores, mas criava uma identidade para marca, em um período em que o marketing ainda engatinhava.  

Essas funções não se perderam com o novo modelo de frente aberta: “Nesse formato a loja inteira é a vitrine. Com isso, é possível aumentar a visibilidade de todos os produtos e aumentar o fluxo de clientes”, afirma Pressendo.

Empresas e marcas com diferentes produtos e públicos adotaram esse formato. É o caso de Havaianas, Puket, O Boticário, Artex, Le Lis Blanc e Antix. A Malwee criou um projeto piloto para estudar o modelo.

Para Carla Schmitzberger, diretora da unidade de negócios sandálias da Alpargatas, a frente aberta replete a imagem da marca. No design mais atual, são 108 lojas sem vitrine em todo o Brasil. Mesmo em layouts anteriores, a Havaianas já adotava o modelo de fachada aberta.

 "A loja é a representação física do DNA da marca: universal e convidativa.  Todos são bem-vindos.  A fachada aberta, assim como Havaianas convida a todos a entrarem em seu universo", diz Carla. " O cliente é encorajado a interagir com o produto, com a fragrância e com a trilha sonora garantindo uma experiência única, envolvente, que cativa imediatamente e motiva a compra."

De acordo com Patrícia Shin, sócia-diretora da Antix, loja de roupas femininas, o novo modelo dá certo por ser uma “vitrine” sem barreiras, dessa forma o cliente se sente mais à vontade para entrar, pois não há impeditivos físicos.  

“Por ser uma marca nova a ingressar no setor do varejo, qualquer tipo de porta ou vitrine poderia limitar o cliente a conhecer a loja”, afirma Shin.

“Entendemos que seria um fator inibidor, por isso resolvemos mostrar a Antix de forma livre, clara e com foco no produto.”

Pressendo também acredita que as lojas com a frente aberta modificam a fachada das lojas, tornando a aparência mais moderna.

Vitrine: Necessidade x tendência

Eduardo Vilas Bôas, professor e consultor de marketing e visual merchandising, acredita que dois fatores estão favorecendo a adoção desse novo modelo: otimização dos espaços de lojas, cada vez mais caros e menores, e economia de recursos, uma vez que a vitrine demanda itens de exposição, como manequins e suportes, e uma pessoa qualificada para montá-la.

Além disso, segundo afirma, as vitrines estão associadas ao poder de sedução e ao despertamento do desejo para os valores intangíveis das empresas.

“Para marcas que procuram diferenciação dos seus produtos, a vitrine é uma das mídias mais importantes para o lojista, pois dialoga diretamente com o consumidor no clímax da jornada de compra, isto é, quando ele reúne dinheiro, vontade e produto num mesmo local”, afirma Bôas.

Vilas Bôas também cita algumas desvantagens do conceito de frente aberta, como menos recursos para criar diferenciação visual em relação à concorrência e perda de uma oportunidade de seduzir o consumidor com uma ideia antes que ele acesse diretamente o produto.

Na direção oposta, Pressendo diz que a supressão da vitrine não traz grandes desvantagens, uma vez que amplia a visão dos clientes para os produtos e para as marcas. “Em vez de um único ponto de valorização, o lojista pode explorar diversos pontos”, afirma.  

O arquiteto acredita que esse modelo, no entanto, não pode ser aplicado em todo o varejo. Joalherias e lojas de ruas, que têm maior preocupação com segurança, costumam ter entradas mais estreitas para controlar o fluxo de pessoas. 

Apesar dessas restrições, Pressendo afirma que as lojas de conceito aberto não são apenas uma tendência passageira e, nos próximos anos, devem se tornar ainda mais comuns.

Fonte: DC

 

Autuações da Receita batem recorde de R$ 204,99 bi em 2017

 

ThinkstockPhotos 179289690As autuações da Receita Federal atingiram o valor recorde de R$ 204,99 bilhões em 2017. O valor superou em 68,5% o montante autuado em 2016 (R$ 121,66 bilhões). De acordo com dados divulgados pelo órgão nesta quinta-feira, 15, foram feitas 390.193 fiscalizações ante 345.252 em 2016.

Os valores se referem às multas aplicadas pelo fisco. Já o valor efetivamente arrecadado em 2017 será bem mais baixo. Historicamente, o valor arrecadado fica em torno de 2% a 7% do montante autuado porque a maioria dos contribuintes recorre das autuações administrativamente e na Justiça. Em média, as autuações são discutidas por 9,5 anos.

"Devemos ter uma arrecadação um pouco maior em 2017 por conta das participações dos contribuintes em programas de parcelamento, mas ainda não temos os dados fechados", afirma o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iagaro Jung Martins.

Os principais setores autuados foram comércio, serviços e indústria. Houve um aumento nas multas aplicadas principalmente em sociedades de participação de propósito específico (SPEs) que a Receita identificou que estavam sendo utilizadas para burlar o fisco e reduzir o valor de tributos devidos. Essas sociedades foram multadas em R$ 8,164 bilhões, aumento de 144% em relação ao ano anterior.

Martins destacou que do montante autuado para as empresas, 79,3% se refere a grandes contribuintes, que são empresas com faturamento acima de R$ 200 milhões por ano.

De acordo com Martins, esses contribuintes são acompanhados de perto porque têm assessorias para produzir esquemas de planejamento tributário, que muitas vezes são abusivos.

"A fiscalização da Receita Federal dá muito mais atenção aos grandes tubarões do que aos peixes pequenos. Temos mais horas de nossas auditorias para combater os grandes esquemas de evasão fiscal. A malha fina é pouco relevante", afirmou.

No caso das pessoas físicas, as maiores multas foram para proprietários e dirigentes de empresas, que foram multados em R$ 6,8 bilhões, uma alta de 209,4%.

Segundo Martins, as multas são principalmente por situações em que há venda de empresa e o empresário não faz o recolhimento do ganho de capital como pessoa física.

Outros casos são de declarações de ganhos isentos que deveriam ter sido tributados. "A Receita tem hoje maior capacidade de identificar essas situações, temos monitoramento diferenciado de contribuintes com maiores ganhos", afirmou.

O subsecretário explicou que há hoje auditores fiscais destacados especificamente para o acompanhamento de 2.300 pessoas físicas com rendimentos acima de R$ 200 milhões por ano ou com bens de R$ 500 milhões. Há também um acompanhamento diferenciado de 30.700 pessoas com rendimentos acima de R$ 10 milhões e bens acima de R$ 15 milhões.

Bônus

As autuações da Receita Federal devem cair neste ano se o bônus para os auditores fiscais não for regulamentado. De acordo com o subsecretário de Fiscalização do órgão, Iágaro Martins, o valor recorde alcançado em 2017, de R$ 204,99 bilhões, se deveu, em parte, ao empenho da categoria após o projeto que reajustou o salário dos auditores ser aprovado, no fim de 2016.

Havia no texto a previsão de pagamento de um bônus variável, que ainda não foi regulamentado. Mesmo sem essa regulamentação, no entanto, os auditores estão recebendo um valor fixo de R$ 3 mil.

Para 2018, a previsão da Receita é que as autuações cheguem a R$ 148,99 bilhões, valor que já é menor do que o de 2017 porque é feito com base numa média de anos anteriores, excluindo dados atípicos.

"O resultado de 2017 foi extraordinário porque havia um montante represado de 2016 e os auditores trabalharam fora da curva em função de uma expectativa em relação ao bônus", afirmou.

Martins acrescentou que mesmo esse valor estimado não deverá ser alcançado caso o adicional não seja regulamentado. Parte dos auditores já tem feito paralisações e a categoria ameaça novas greves. "Teremos dificuldade de atingir esse resultado em 2018 permanecendo a situação que temos agora", completou.

Em 2016, auditores e outros funcionários do fisco fizeram um dos maiores movimentos salariais da categoria, com paralisações e operações padrão por cerca de sete meses.

No fim do ano, o governo editou uma medida provisória reajustando o salário dos auditores em 21,3% até 2019 e criando o bônus de eficiência, que variaria de acordo com o cumprimento da meta.

Só em julho de 2017 o texto da MP virou lei, após aprovação pelo Congresso Nacional, mas falta regulamentar o bônus para que o valor seja variável.

2018

Entre os setores que estão na mira da Receita neste ano estão os de cigarro, bebidas e combustíveis, de venda direta ao contribuinte, principalmente cosméticos de porta a porta. Também estão previstas operações especiais de fiscalização, entre elas a Lava Jato, Zelotes, Ararath e Calicute, e operações para fiscalização de fundos de pensão.

 

Fonte: DC

 

Indicador de Confiança do Consumidor abre 2018 com crescimento e marca 43,6 pontos, mostram SPC Brasil e CNDL

 

backgroundA passos lentos, o humor do brasileiro com a economia do país e com a sua própria condição financeira vem apresentando melhoras, embora ainda permaneça em um patamar baixo. Segundo dados apurados pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), o Indicador de Confiança do Consumidor (ICC) cresceu de 41,9 pontos em janeiro de 2017 para 43,6 pontos em janeiro de 2018, o que representa uma alta de 4% em um intervalo de um ano. Em dezembro, o índice estava em 40,9 pontos. A escala do indicador varia de zero a 100, sendo que quanto maior o número, mais otimista se encontra o consumidor.

O Indicador de Confiança é composto por dois componentes: o Indicador de Condições Atuais, que afere o cenário momentâneo da economia e da própria vida financeira e o Indicador de Expectativas, que avalia o que os consumidores esperam para os próximos seis meses.

No caso do Indicador de Condições Atuais, a variação também foi positiva, passando de 29,6 pontos para 32,4 pontos na escala na passagem de um ano. Ao considerar somente a situação atual da economia, a pontuação foi de 22,5 pontos e ao considerar somente o estado da vida financeira, a pontuação foi de 42,3 pontos.

De acordo com a sondagem, 78% dos brasileiros avaliam o atual momento econômico do país como ruim contra apenas 3% que consideram a situação ótima ou boa. Para 19%, a situação é regular. Quando o assunto é a avaliação da própria vida financeira, o percentual dos que consideram o momento atual como ruim cai para 40%, enquanto 14% avaliam a vida financeira de forma positiva. Outros 45% classificam o momento como regular.

Para o presidente da CNDL, José Cesar da Costa, a consolidação da volta da confiança é uma condição necessária para a retomada do consumo das famílias


e dos investimentos entre os empresários. “Mas isso dependerá, fundamentalmente, do aumento de vagas de emprego e ganhos reais de renda, depois de um longo período de queda”, explica o presidente.

Maior parte dos consumidores ainda vê cenário econômico como ruim. Desemprego e preços altos são principais justificativas

O levantamento apurou que entre os que fazem uma avaliação negativa a respeito da economia brasileira, a maior parte cita o desemprego elevado como principal razão desse desalento (59%). Também aparecem com destaque os altos preços (55%) e as elevadas taxas de juros (43%), fatores que acabam inibindo o consumo.

Já entre os que classificam a própria vida financeira de forma negativa, a razão mais lembrada é o alto custo de vida, mencionada por 54% dos entrevistados. O mesmo levantamento ainda revela que quase a metade dos consumidores (51%) aponta o elevado custo de vida como o fator que mais tem pesado na vida financeira familiar. Os aumentos de preços mais sentidos são os combustíveis (85%), conta de luz (85%) e compras nos supermercados (82%).

“Mesmo com a queda da inflação, o nível dos preços ainda é elevado e a renda dos consumidores ainda não se recuperou do período de quedas. Isso faz com que o consumidor não sinta de forma tão evidente os efeitos da inflação sob controle”, explica a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti. Outro fator que tem pesado na vida financeira dos consumidores é o desemprego, com 18% de menções.

Em sentido oposto, para aqueles que veem o momento atual de sua vida como bom ou ótimo, o controle das finanças é a razão mais destacada, com 41% das citações. A economista Marcela Kawauti avalia que esse dado revela a importância de colocar a organização financeira como prioridade, sobretudo em um momento de crise como o atual. “Quem faz um controle sistemático do orçamento consegue ajustar os gastos e o padrão de vida com mais rapidez em momentos de aperto”, explica.

 

Avaliação sobre o futuro supera a percepção do cenário atual e Indicador de Expectativas marca 54,8 pontos

Embora o quadro atual seja negativo para parte considerável dos consumidores, os brasileiros nutrem esperanças de que a sua situação financeira melhore em um horizonte de seis meses, assim como a do país como um todo. De acordo com apuração do SPC Brasil e da CNDL, na passagem de janeiro de 2017 para janeiro de 2018, o Indicador de Expectativas passou de 54,2 pontos para 54,8 pontos. Considerando somente as expectativas para a economia, a pontuação foi de 45,1 pontos e quando se considera as expectativas com vida financeira, a pontuação foi ainda maior e atinge 64,5 pontos na escala.

Em termos percentuais, as expectativas com o futuro da economia mostram-se melhores do que a avaliação do cenário atual. Para 39%, há pessimismo com os próximos seis meses, enquanto 24% mostram-se esperançosos de que a situação fique melhor. Outros 33% possuem uma visão neutra a respeito do tema.

59% dos brasileiros estão otimistas com futuro da vida financeira para os próximos seis meses. Maior parte, contudo, não sabe explicar razões

Quando o assunto é o futuro da própria vida financeira, o percentual de otimistas sobe em relação ao percentual de otimistas com a economia: 59% disseram ter boas expectativas, enquanto 10% têm expectativas ruins e 26% estão neutros.

Entre os otimistas com a economia, a maior parte (50%) não sabe ao certo explicar as razões de seu otimismo, apenas acreditam que coisas boas devem acontecer. O mesmo acontece com aqueles que estão em algum grau esperançosos com a própria vida financeira: 49% não sabem explicar esse sentimento.

Outros motivos alegados por aqueles que acreditam na melhora da economia brasileira são a sensação de que as pessoas estão voltando a consumir (21%) e a percepção de que o desemprego começa a recuar (20%). Além disso, para 14% desses consumidores, os preços pararam de crescer na mesma velocidade de antes.

Já em sentido oposto, entre os que manifestam pessimismo com a economia, 63% citam os escândalos de corrupção como principal entrave para o país se recuperar dos efeitos da crise. O alto nível de desemprego é mencionado por 39% e outros 29% discordam das medidas econômicas que estão sendo adotadas pelo atual governo.

Metodologia

Foram entrevistados 801 consumidores, a respeito de quatro questões principais: 1) a avaliação dos consumidores sobre o momento atual da economia; 2) a avaliação sobre a própria vida financeira; 3) a percepção sobre o futuro da economia e 4) a percepção sobre o futuro da própria vida financeira. O Indicador e suas aberturas mostram que há confiança quando os pontos estiverem acima do nível neutro de 50 pontos. Quando o indicador vier abaixo de 50, indica falta de confiança.

Fonte: CNDL

 

Comércio se opõe à proposta de fim do parcelamento sem juros

 

parcelamento sem juros dcParcelar compras em doze meses sem juros poderia deixar de ser uma opção para os consumidores brasileiros. 

No início do ano, empresas de cartão de crédito propuseram ao Banco Central (BC) acabar com a prática do parcelamento sem juros.

No lugar dessa modalidade, seria criada uma espécie de crediário para que o consumidor continue a pagar suas compras em parcelas.

Como contrapartida ao varejo, as empresas de cartão de crédito ofereceram reduzir de 30 para cinco dias o prazo para pagar os lojistas.

A proposta faz parte de uma série de medidas apresentadas pelas bandeiras, ainda em 2016, sob a justificativa de reduzir custos e aproximar o modelo brasileiro de pagamentos do padrão internacional.

Entidades ligadas ao comércio estão se posicionando contra a possibilidade do fim do parcelamento sem juros no cartão.

Para elas, esse modelo já está enraizado no mercado brasileiro e traz mais praticidade aos consumidores e lojistas.

Marcel Solimeo, economista-chefe da ACSP (Associação Comercial de São Paulo), não acredita na regulamentação da proposta.

Na opinião do economista, o assunto é complexo para ser definido sem um estudo aprofundado e num momento em que o varejo ensaia uma tímida recuperação. 

"O parcelamento sem juros surgiu como uma alternativa ao cheque pré-datado, para dar mais segurança (ao comerciante). A modalidade já está consagrada e funciona bem", diz. 

Para a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), “cabe aos varejistas definir suas práticas de negócio, portanto, quem deve definir como cobrar é o próprio comerciante – considerando sua capacidade, seus parceiros e a necessidade e conveniência de seus clientes”, diz a entidade em nota.

Em um recente artigo publicado no Diário do Comércio, o economista Vitor França alerta que a medida, se fosse aprovada, representaria uma pedra no caminho da recuperação ainda incipiente do consumo.

"Uma vez que o parcelamento sem juros parece profundamente enraizado nos hábitos de consumo do brasileiro, o fim do parcelamento no cartão de crédito poderia estimular a volta do já quase extinto cheque pré-datado, acarretando em maiores custos de compensação e liquidação, estimulando a informalidade e elevando a inadimplência dos lojistas", afirma França.

Fonte: DC

Últimas Notícias

Vitrine ou frente aberta: o que é melhor para a loja?

19 Fevereiro 2018

As vitrines foram um dos símbolos mais representativos do comércio moderno e cosmopolita que chegava a São Paulo na virada do século 19 para o 20. Cerca de um século...

NFC-e já é uma realidade em Minas, e você está preparado para essa novidade?

19 Fevereiro 2018

NFC-e já é uma realidade em Minas, e você está preparado para essa novidade? Venha saber o que muda no dia-a-dia do seu comércio! Tópicos: 1 - Conceitos e Impactos da...

Indicador de Confiança do Consumidor abre 2018 com crescimento e marca 43,6 pontos, mostram SPC Brasil e CNDL

16 Fevereiro 2018

A passos lentos, o humor do brasileiro com a economia do país e com a sua própria condição financeira vem apresentando melhoras, embora ainda permaneça em um patamar baixo....

Autuações da Receita batem recorde de R$ 204,99 bi em 2017

15 Fevereiro 2018

As autuações da Receita Federal atingiram o valor recorde de R$ 204,99 bilhões em 2017. O valor superou em 68,5% o montante autuado em 2016 (R$ 121,66 bilhões). De...

Comércio se opõe à proposta de fim do parcelamento sem juros

15 Fevereiro 2018

Parcelar compras em doze meses sem juros poderia deixar de ser uma opção para os consumidores brasileiros. No início do ano, empresas de cartão de crédito propuseram ao Banco...

Funcionamento do comércio de Contagem e Ibirité no período de carnaval

09 Fevereiro 2018

De acordo com a Convenção Coletiva de Trabalho firmada entre o Sindicato do Comércio de Contagem e Ibirité (SCCI) e o Sindicato dos Trabalhadores no Comércio Atacadista e Varejista de...

Reconhecimento de firma: burocracia que custa a morrer

09 Fevereiro 2018

Em 2018, completa meio século o Decreto 63.166, da época de Hélio Beltrão ainda Ministro do Planejamento, o homem que foi o primeiro a tentar dispensar o reconhecimento de...

Comércio varejista fecha 2017 com alta de 2% no volume de vendas

09 Fevereiro 2018

O volume de vendas do comércio varejista brasileiro teve aumento de 2% em 2017, na comparação com o ano anterior. O dado, da Pesquisa Mensal do Comércio, foi divulgado...

Veto a Refis para pequenos só sobe à pauta após votação da Previdência

08 Fevereiro 2018

Em reunião com entidades representantes das micro e pequenas empresas, o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, reiterou que a prioridade do presidente Michel Temer é tentar votar...

Taxa Selic fica abaixo de 7% ao ano pela primeira vez na história

07 Fevereiro 2018

Pela 11ª vez seguida, o Banco Central (BC) baixou os juros básicos da economia. Por unanimidade, o Comitê de Política Monetária (Copom) reduziu hoje (7) a taxa Selic em...

Brasil está entre países com alíquota mais alta de IR para empresas, diz estudo

07 Fevereiro 2018

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) divulgou hoje (7) um levantamento comparando a carga tributária para empresas no Brasil e em outros países. Segundo o estudo A evolução histórica...

Ânimo dos consumidores para gastar cresce 80% em um ano

07 Fevereiro 2018

O ânimo dos consumidores brasileiros cresceu no último ano: em dezembro, a disposição de consumidores para comprar era 80% mais alta do que em igual mês do ano anterior,...

Comércio aposta num 1º semestre favorável

06 Fevereiro 2018

O fim de 2017 não foi um dos melhores para os empresários do comércio de Minas Gerais. No entanto, o ano de 2018 começa com boa expectativa e esperança...

Refis: apoie aqui

06 Fevereiro 2018

APOIE AQUI A DERRUBADA DO VETO As micro e pequenas empresas são responsáveis por 2 a cada 3 empregos no Brasil. Elas precisam de condições favoráveis para negociar dívidas tributárias...

Copom pode reduzir juro básico pela 11a vez

06 Fevereiro 2018

Pouco mais de um mês depois de reduzir os juros básicos para o menor nível da história, o Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) faz a primeira...

Gasto médio previsto para compras do Dia do Consumidor é de R$ 690

06 Fevereiro 2018

Ainda pouco conhecida pelos consumidores, a data promocional do Dia do Consumidor tem um gasto médio esperado de R$ 690 por compra, segundo pesquisa realizada pelo Google. O dia 15...

MEIs com CNPJ cancelado devem fazer nova inscrição para exercer atividade formal

06 Fevereiro 2018

O Comitê para Gestão da Rede Nacional para Simplificação do Registro e da Legalização de Empresas e Negócios (CGSIM) divulgou no Portal do Empreendedor (http://www.portaldoempreendedor.gov.br/), ontem (05/02), a listagem...

Sebrae busca apoio para derrubar veto ao Refis dos pequenos

02 Fevereiro 2018

Parecer jurídico elaborado pelo ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Carlos Ayres Britto, a pedido do Sebrae, contesta a constitucionalidade do veto ao projeto de recuperação fiscal (Refis) das...

Receita exclui 1,4 milhão de MEIs da base de dados

02 Fevereiro 2018

Contribuintes que não regularizaram a situação junto à Receita Federal tiveram o Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) excluído da base de dados. Ao todo, foi dada baixa em...

Confiança dos MPEs termina janeiro com 54,6 pontos e inicia 2018 com otimismo, mostra indicador do SPC Brasil e CNDL

01 Fevereiro 2018

O Indicador de Confiança da Micro e Pequena Empresa (MPE) atingiu 54,6 pontos em janeiro, acima dos 51,1 pontos no último mês de dezembro, segundo dados do Serviço de...

"Brasil não tem condições de reduzir a carga tributária"

01 Fevereiro 2018

O Brasil não tem condições neste momento de reduzir a carga tributária por conta da necessidade do ajuste fiscal. A afirmação foi de Eduardo Guardia, secretário executivo do Ministério...

Sebrae questiona legalidade de veto ao Refis para pequenos

01 Fevereiro 2018

A pedido do Sebrae Nacional, o escritório de advocacia do ex-ministro do Supremo Tribunal Federal Carlos Ayres Britto elaborou parecer jurídico sobre o projeto de recuperação fiscal, Refis, das...

Número de empresas inadimplentes cresce 5,35% em 2017, mostra indicador do SPC Brasil e CNDL

31 Janeiro 2018

O número de empresas inadimplentes continua crescendo na comparação anual. De acordo com o indicador calculado pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de...

A Contribuição Sindical e sua importância

30 Janeiro 2018

O pagamento da contribuição sindical ao Sindicato do Comércio de Contagem e Ibirité (SCCI) é instrumento de fortalecimento do trabalho diário de representatividade da categoria econômica perante os empregadores,...

Imposto sobre material escolar pode chegar a 50%

30 Janeiro 2018

Milhões de alunos estão retornando às aulas nestes dias. Com isso, também volta à tona uma grande preocupação dos pais nesta época do ano: o preço do material escolar. Levantamento...

Cresce taxa de juro anual no crédito rotativo para quem paga o mínimo

29 Janeiro 2018

A taxa de juros do rotativo do cartão de crédito para quem paga o valor mínimo da fatura em dia aumentou em dezembro. A taxa chegou a 233,8% ao...

45% dos brasileiros não controlam as próprias finanças, mostra pesquisa sobre educação financeira do SPC Brasil e CNDL

29 Janeiro 2018

31% dos consumidores são inseguros para lidar com dinheiro e 34% deixam de cuidar das finanças por indisciplina. Em vez juntar dinheiro e comprar à vista, 45% optam por...

BNDES triplica crédito para pequena e média empresa

29 Janeiro 2018

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) vai intensificar neste ano a liberação de linhas de financiamento para pequenas e médias empresas, como forma de estimular a economia....

Empresas excluídas do Simples têm até quarta-feira para regularizarem situação

28 Janeiro 2018

As micro e pequenas empresas excluídas do Simples Nacional, regime especial de tributação, têm até quarta-feira (31) para quitarem os débitos e pedirem a reinclusão no programa. De acordo...

Termina no dia 23 de março prazo para preenchimento da Rais

24 Janeiro 2018

Começou ontem (23) o prazo para o preenchimento da Relação Anual de Informações Sociais (Rais) de 2017. Empresários poderão enviar dados até o dia 23 de março, por meio...

Prazo para microempreendedor regularizar situação é prorrogado até sexta-feira

24 Janeiro 2018

Os microempreendedores individuais (MEI) em atraso com o governo ganharam mais três dias para regularizar a situação. O prazo para a quitação das dívidas, que acabaria ontem (23), passou...

MEI com atraso no boleto terá CNPJ cancelado

18 Janeiro 2018

Todos os Microempreendedores Individuais (MEI) que não fizeram nenhum pagamento dos tributos nos três últimos anos e também não estão em dia com as Declarações Anuais do Simples Nacional...

Publicadas novas regras para a Rais 2017; entrega começa dia 23 de janeiro

18 Janeiro 2018

Portaria do Ministério do Trabalho publicada hoje (18) no Diário Oficial da União fixa novas regras para a declaração da Relação Anual de Informações Sociais (Rais) 2017. O prazo...

Para quase metade dos brasileiros, combate à corrupção deve ser a prioridade do próximo presidente, mostra pesquisa do SPC Brasil

16 Janeiro 2018

Investimentos na saúde e na educação aparecem em seguida na lista. 47% dos brasileiros ainda está indiferente com as eleições presidenciais e acreditam que tudo continuará igual. Pesquisa mostra...

Projeto elimina relação trabalhista entre franquias e dono da marca

16 Janeiro 2018

A Câmara dos Deputados analisa o Projeto de Lei 8201/17, do deputado Augusto Carvalho (SD-DF), que altera a lei das franquias (8.955/94) com o objetivo de eliminar questionamentos sobre...

Horário estendido do comércio de Contagem inicia dia 16 de dezembro

13 Dezembro 2017

O comércio de Contagem vai ampliar seu horário de atendimento ao público no período natalino. A meta é atender ao aumento da demanda dos consumidores nas compras de Natal...

Vendas no Natal devem aumentar entre 5% e 6% em Contagem

11 Dezembro 2017

Segundo estimativa da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Contagem, as vendas no período de Natal, principal data para o varejo brasileiro, devem aumentar entre 5% e 6% em...

Compre em Contagem, valorize sua cidade

11 Dezembro 2017

Final do ano chegou e o variado comércio de Contagem já está preparado para o Natal, a principal data para o varejo brasileiro, oferecendo boas opções de presentes, bons...

MEI com CNPJ suspenso ganha mais prazo para regularizar situação

11 Dezembro 2017

O Comitê para Gestão da Rede Nacional para Simplificação do Registro e da Legalização de Empresas e Negócios (CGSIM) divulgou a prorrogação do prazo para que os Microempreendedores Individuais...

CDL-Contagem, 36 anos de dedicação ao desenvolvimento

08 Dezembro 2017

A Câmara de Dirigente Lojista (CDL) de Contagem completa neste domingo (10/12), 36 anos de atuação. Criada em 1981, como Clube de Diretores Lojistas, com o objetivo de dar suporte...

Confira quem poderá ser MEI em 2018 ... e que será impedido

08 Dezembro 2017

Personal trainers, arquivistas de documentos, contadores e técnicos contábeis não poderão mais ser Microempreendedores Individuais (MEI) a partir do dia 1º de janeiro de 2018. Isso porque entra em...

Câmara aprova projeto que cria Refis para micro e pequenas empresas

07 Dezembro 2017

Deputados aprovaram na noite de ontem (6/12), no plenário da Câmara, projeto de lei que cria um programa de parcelamento tributário - conhecido como Refis -, para micro e...

2ª RPM inicia operações “Natalina” e “Férias Segura” em Contagem

05 Dezembro 2017

Com o objetivo de garantir mais segurança em sua região de atuação nos meses de dezembro, quando há uma maior circulação de pessoas nos comércios por conta das compras...

Comércio de Contagem pode funcionar no feriado de 8 de dezembro

04 Dezembro 2017

De acordo com a Convenção Coletiva do Comércio de Contagem 2017/2018, ficou permitido o funcionamento do comércio lojista no dia 08 de dezembro (sexta-feira), Dia da Imaculada Conceição, feriado...

Trabalho intermitente, parcial e teletrabalho já devem ser informados ao Caged

04 Dezembro 2017

Criadas pela reforma trabalhista, as modalidades de contratação em trabalho intermitente e teletrabalho já devem ser informadas ao Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho....

CDL-Contagem disponibiliza whatsApp para consulta sobre Certificado Digital

03 Dezembro 2017

A CDL-Contagem está disponibilizando um novo canal de comunicação para que seus associados e o público em geral tire dúvidas e se informe sobre o Certificado Digital. Trata-se do...

"Natal Iluminado" estimula comércio de Contagem

30 Novembro 2017

A inauguração da decoração de natal de Contagem, que este ano tem como tema “Natal Iluminado 2017”, acontece nesta sexta-feira (1º/12), a partir das 18h, na Praça Nossa Senhora...

Sua loja já está preparada para vender mais no Natal?

30 Novembro 2017

As vendas de Natal já estão entrando em ritmo acelerado, não cabendo mais ficar falando de crise, mas sim empregar toda energia para aproveitar o resto do ano e...

Implantação do eSocial para empresas começa em janeiro de 2018

29 Novembro 2017

A Receita Federal anunciou nesta quarta-feira (29) o cronograma de implantação do Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (eSocial) para empresas. De acordo com o...

Acordo sobre planos econômicos pode beneficiar quem não moveu ação e até herdeiros

29 Novembro 2017

A ministra da Advocacia-Geral da União, Grace Mendonça, afirmou nesta terça-feira (28) que será definido nos próximos dias quais poupadores serão beneficiados pelo acordo para indenização de perdas de...

Frank Sinatra é reeleito para triênio 2018/2020 na Federaçao das CDL's de MG

28 Novembro 2017

O presidente da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas (FCDL) de Minas Gerais, Frank Sinatra Santos Chaves, foi reeleito em Assembleia Geral Ordinária realizada ontem (28/11), na sede...

Confiança do consumidor atinge maior nível desde outubro de 2014

28 Novembro 2017

O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) subiu 3,1 pontos em novembro, atingindo 86,8 pontos, o maior nível desde outubro de 2014, quando chegou a 91,1 pontos. Quando a...

Deputados articulam projeto com Refis para micro e pequenas empresas

28 Novembro 2017

Sem alarde, deputados articulam nos bastidores a votação ainda este ano na Câmara de um projeto criando um programa de parcelamento de dívidas tributárias, mais conhecido como Refis, para...

Cheques de qualquer valor serão compensados em até um dia útil

28 Novembro 2017

A compensação de cheques de qualquer valor passará a ser feita em um dia útil, inclusive os de menos de R$ 300, cujo prazo atual é de dois dias...

Governo vai encaminhar ao Congresso Refis para empresas do Simples

27 Novembro 2017

Líder do governo no Congresso Nacional, o senador Romero Jucá pretende colocar na pauta do legislativo, já nesta semana, projeto que cria um programa de refinanciamento de débitos fiscais,...

Cadastro positivo pode elevar o PIB em 0,5 ponto percentual ao ano

27 Novembro 2017

A recente aprovação pelo Senado do PLS 212/2017, que permite a inclusão de consumidores no cadastro positivo sem prévia autorização, tem potencial para levar o mercado de crédito do...

Por que sua empresa corre o risco de não chegar a 2020

24 Novembro 2017

Até 2021, 40% das empresas que são atualmente líderes de mercado terão desaparecido. E a razão disso é o que os gurus da administração chamam de "destruição criativa". Quem corrobora...

Como vender mais durante a Black Friday

23 Novembro 2017

A Black Friday é uma data comercial mundialmente conhecida. Incorporado ao calendário brasileiro, o dia é dedicado a promoções e pode ser ótima oportunidade para as pequenas empresas destacarem-se...

CDL-Contagem realiza curso de vitrinismo amanhã, dia 23

22 Novembro 2017

A vitrine de uma loja é um verdadeiro convite ao consumidor, que muitas vezes entra no estabelecimento porque se sentiu atraído pelos produtos que estavam expostos. A decoração e...

Receita amplia prazo para desistir de ações de débitos inclusos no Refis

22 Novembro 2017

A Secretaria da Receita Federal ampliou até o último dia útil de novembro o prazo para que o contribuinte comprove a desistência de ações judiciais relativas a débitos que...

«
||
»

Seja um Associado

Departamento Comercial:
Gerente: Vanda Lima - (31)3359-6417  
 Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Ou clique aqui para enviar uma mensagem

Sobre a CDL

A CDL Contagem tem a missão de representar, integrar e apoiar o lojista por meio de soluções inovadoras e de qualidade, fortalecendo o comércio varejista de Contagem, contribuindo para o desenvolvimento social e econômico da comunidade.

Siga-nos também em:

   

Contato

Para conhecer mais sobre a CDL Contagem, entre em contato conosco:
  cdl(@) cdlcontagem.com.br
(31)3359-6400 
  Rua Manoel Teixeira Camargos, 475 - Eldorado - Contagem/MG